Deloan Perini, de Erechim, e Joana Pasquali, de São Marcos, ficaram em primeiro lugar no 28º Prêmio Jovem Cientista, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

 

Joana Pasquali criou um dispositivo que verifica em apenas um minuto se o leite foi adulterado Foto: Porthus Junior / Agencia RBS
 Autor: Luísa Martins. Zero Hora

Duas pesquisas feitas por estudantes de instituições gaúchas ficaram em primeiro lugar no 28º Prêmio Jovem Cientista, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Um modelo inédito de agricultura urbana rendeu ao universitário Deloan Perini, da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), em Erechim, o reconhecimento máximo na categoria Estudante do Ensino Superior. Já o trabalho de Joana Pasquali, de São Marcos, um kit que detecta substâncias tóxicas no leite, foi eleito o melhor do Ensino Médio.

Os dois estudos brilharam entre mais de 1,9 mil inscritos nesta edição do prêmio, cujo tema foi Segurança Alimentar e Nutricional. O objetivo da iniciativa é revelar talentos, impulsionar a pesquisa e investir em jovens que procurem inovar na solução dos desafios da sociedade brasileira.

No Rio Grande do Sul, um deles é evitar novas crises na indústria leiteira, marcada por fraudes nos últimos dois anos. Ao saber da Operação Leite Compensado, que revelou um esquema de adulteração, Joana, 17 anos, decidiu criar o Detectox: uma fita feita com filtro de coar café, embebida em reagentes químicos, que identifica a presença de contaminantes no leite em apenas um minuto.

Para chegar lá, a menina improvisou um laboratório na garagem. A tábua de passar roupas foi transformada na bancada de experimentos. Uma funerária forneceu as substâncias químicas necessárias para os testes. Assim, ela chegou ao protótipo que rendeu a premiação, dois notebooks, um para si e outro para a orientadora, a professora de metodologia da pesquisa Andréia Gobbi.

Quando a amostra do leite é colocada em contato com a fita, a reação química entre as substâncias gera três cores diferentes. Cada uma denuncia a existência de uma substância tóxica – o formol, utilizado para matar as bactérias do leite; o hidróxido de sódio, que mascara a validade; e o amido, usado para dar mais consistência ao leite que foi misturado à água. São os tipos de adulteração mais comuns em leites UHT.
A invenção já havia sido apresentada na 4ª Mostra Científica e Tecnológica do Colégio Mutirão de São Marcos, onde a menina estudou até o ano passado (hoje, ela cursa Engenharia de Materiais na Universidade de Caxias do Sul). O manuseio fácil e o baixo preço – o custo é de R$ 4,31 por kit, podendo chegar ao consumidor por cerca de R$ 6,48, conforme os cálculos de Joana – despertaram o interesse.

– Todos queriam um protótipo em casa, quase não tenho mais. A vantagem do meu trabalho está no fato de ele ser bastante aplicável no cotidiano das pessoas – contou Joana.

Hortas urbanas e sustentabilidade

Deloan fez um projeto projeto para transformar terrenos baldios em hortas.


Acadêmico do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFFS, Deloan, 27 anos, observou que Erechim parecia crescer para a periferia, enquanto o Centro acumulava terrenos baldios. Ele se prestou a mapeá-los: 144. Esses espaços vazios deram o clique no estudante, que pensou: por que não transformá-los em focos de agricultura urbana?
A ideia que lhe rendeu o prêmio maior entre os alunos do Ensino Superior é simples: agilizar o abastecimento de alimentos para a cidade por meio de dezenas de hortas urbanas, em um sistema organizado que aproximaria consumidores e produtores. Em cada lote, poderiam ser produzidos alimentos orgânicos como frutas, hortaliças, ervas e temperos.

– O diferencial do projeto está na sustentabilidade. Estimamos que as hortas urbanas de Erechim tenham capacidade para produzir 4,5 quilos por metro quadrado, ou 60 toneladas por mês – explica o jovem, que teve orientação da professora Marcela Maciel, da disciplina Oficina de Desenho.

A pesquisa de Deloan, que veio de Florianópolis para cursar a faculdade, conclui que cada horta poderia ser cultivada por no mínimo três associados, com responsabilidade direta pela manutenção da área. O projeto ainda prevê outros centros de apoio: um banco de alimentos, onde ocorreria a seleção, distribuição e comercialização da produção; um restaurante agroecológico, para onde o excedente seria distribuído; e um centro de compostagem, onde os resíduos orgânicos seriam transformados em adubo ou biogás, matéria-prima para a geração de energia.

Além disso, os produtores urbanos teriam a possibilidade de trocar alimentos ou doar sua produção, recebendo refeições no restaurante como permuta.

– Ainda não viabilizamos a aplicação, mas já dialogamos com alguns setores do município para apresentar a ideia. Elaborei o projeto com a ideia de realmente implantá-lo – explica o estudante, que ganhou R$ 18 mil e uma bolsa de mestrado.

Deloan não teve como objetivo apenas a promoção da segurança alimentar, mote do 28º Prêmio Jovem Cientista. Ele busca também a requalificação dos espaços urbanos, ao incentivar o investimento em áreas públicas e privadas que remanescem ociosas. Outro propósito é o de fazer a população urbana entender a agricultura, relacionar-se com a terra e tomar consciência em relação ao que põe sobre a mesa.

Disponível em http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/educacao/noticia/2015/05/estudantes-gauchos-conquistam-premio-nacional-de-incentivo-a-pesquisa-4770572.html

Estudantes gaúchos conquistam prêmio nacional de incentivo à pesquisa

Deixe uma resposta